Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

A “minha escolinha”

Num destes dias (recentemente) ao passar na rua Maria Luísa Sales (em Mértola) olhei de maneira diferente o edifício amarelo e branco à minha direita. A escola primária. De repente, avivei memórias, revi imagens do passado. Vi-me no pátio, de bibe (a bata, como lhe chamávamos) a brincar com outras meninas (como eu). Os rapazes, esses brincavam, normalmente no lado oposto. Por instantes, entrei e recordei a menina de cabelos ondulados, tímida, de poucas falas, sentada na velha carteira de duplo assento, atenta às explicações da professora Nazaré. Senhora de porte distinto, de feitio difícil (às vezes), que com rigor e qualidade me ensinou a soletrar o a,e,i,o,u… Relembro o recreio e a corrida até à casa da "Ti Assunção" para comprar a fatia do “bolo de mel”, acabado de fazer no fogão a petróleo. Sabor que me marcou e viciou (até agora). Ainda hoje o bolo de mel (bem caseiro) é um dos meus preferidos.

 

 

Escola Primária  (atual Centro Educativo de Mértola)

 

 

 

Casinha da "Ti Assunção" (mais à direita na imagem)

 

Hoje, a velhinha escola primária, outrora igreja, renovada e equipada para o futuro, continua a impor-se no casario envolvente. Há muitas escolas, mas esta é diferente, aos meus olhos e aos olhos de todos quantos por ali passaram. A carga emocional e afetiva que transporto no meu olhar, transformam a “velha escolinha” numa relíquia da minha infância. Ali aprendi a língua de Camões, os nomes dos meus antepassados, os órgãos do corpo humano. São tantas as memórias quantas as histórias…

 

Escola Primária e o Núcleo Museológico da Basílica Paleocristã

2 comentários

Comentar post