Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Desabafos de uma viajante (de autocarro)

 

  1. Cumprir horários num dia feriado (um verdadeiro massacre, para quem almeja por um dia livre de obrigações/deveres!);
  2. Suportar o cheiro a “patchouli”, do viajante no banco ao lado (um enjoo!);
  3. Parar em todos os apeadeiros e mais alguns (que paciência!);
  4. Respirar o ar poluído nos terminais rodoviários (uma tortura, para quem adora ar puro!);
  5. Ficar faminta e não poder parar para comer algo (uma “fome dos diabos”!);
  6. Aturar o ladrar de um “cãozinho de dama”, no terminal, que não parou de “atiçar” o cãozarrão do lado (insuportável!);
  7. Ouvir a gritaria de uma senhora, ao telemóvel, a explicar a sua primeira visita à capital (enervante!)
  8. Arrumar a bagagem de mão, num espaço exíguo (uma manobra difícil!)
  9. Comer uma sandes desenxabida na “barraquinha da esquina” porque o único bar do terminal tem uma fila sem fim (um atentado à saúde!);
  10. Ficar com os braços doridos, de puxar o trolley pesadíssimo (uma prova de esforço!);
  11. Querer ler e não conseguir passar da primeira linha porque alguém, no banco de trás, resolveu amachucar uma garrafa de plástico vazia, como se de uma bola anti stresse se tratasse (irritante e desconcertante, depois de seis horas em viagem!);
  12. Resolver fazer “meditação” para relaxar do stresse já instalado… (tarefa inglória!).

 

Como se não bastasse, a memória resolveu fazer das dela e assolar-me o espírito com “nostalgias” de outrora… uma odisseia! A não repetir nos tempos mais próximos.

 

1 comentário

Comentar post