Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Na "rota dos sabores" (3)

É sexta feira à tarde e chuvisca. Novamente o mau tempo! Pensei. Em dias assim prefiro aninhar-me no meu casulo e ficar sem fazer nada, sem pensar! Ouvir-me apenas. Sabe-me bem essa letargia de fim de semana…

Mas, ainda assim, o desejo e a vontade de participar em mais uma edição do “Festival do Petisco” fez-me sair de casa numa tarde cinzenta e fria de uma primavera tímida a lembrar mais a chegada do outono.

Apresso-me a sair de casa pois a tarde avança e o tempo disponível é escasso. Chego ao pavilhão do NERBE e entro numa espiral de sabores, cores, sons…

Percorro o espaço apreciando os produtos expostos. No caminho vou encontrando amigos e conhecidos. Detenho-me num primeiro stand. Duas garrafas, estilizadas, muito “elegantes” prendem a minha atenção. Estão estrategicamente expostas. São belas, vaidosas até. Questiono o que contêm, dizem-me que é “aguardente de uva de mesa”. Uma delas venceu a medalha de ouro 2014, no XVI Concurso Internacional de Bebidas Espirituosas, em Moscovo. Há orgulho e felicidade na partilha. Despeço-me e desejo felicidades à família Peres de Sousa, os proprietários.

 

 

"aguardente de uva de mesa"

 

 

 Stand da Família Peres de Sousa

 

Apresso-me e vou saltitando pelos vários stands onde vários produtos regionais, como as duas “garrafas elegantes”, se insinuam aos olhos de quem passa. Convidam à degustação! Como os bombons do “Mestre Cacau” que do alto da sua vitrina, alinhados numa geometria perfeita, se exibem vaidosos. São delicadamente doces. Únicos e diferentes.

 

 

"Bombons Mestre Cacau"

 

Ando mais um pouco. Entro na tenda das tasquinhas. Está na hora de degustar os sabores da região. Há diversidade. Opto por um petisco variado onde o presunto caseiro, alentejano, não faltou (por acaso oferta de um amigo que participa no festival).

 

Por uma tarde, pus de lado a alimentação equilibrada e entreguei-me ao prazer de saborear os petiscos deste Alentejo…

3 comentários

Comentar post