Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Natal (antecipado)

 Dei conta que a palavra Natal já invadiu a blogosfera: já muitos falam da quadra festiva.

 Aproxima-se a época das “luzes” e das “prendas”, do consumismo desmedido. Em dezembro a correria às lojas deixa qualquer pessoa à beira de um ataque de nervos. Entra tudo em desvario perfeito e os atropelos nos corredores dos fóruns (e congéneres) são mais que muitos. Prefiro pensar o Natal como o momento para comemorar o nascimento de Jesus Cristo. Um momento de partilha em família.

Por isso me questiono: já há luzes e árvores de Natal à venda? E campanhas de brinquedos?

 Mas faz algum sentido? Claro que sim (dirão alguns). Esquecia-me da sociedade de consumo onde vivo e com a qual pactuo (digo eu). Todos sabemos que o impacte económico do Natal é uma realidade em crescendo; mas começar no início de novembro a falar do Natal - como se estivéssemos a quinze dias do acontecimento propriamente dito - acho um pouco exagerado.

 Outra coisa que me arrelia imenso: o que oferecer a fulano, beltrano e sicrano? Nada, penso eu. Oferecer presentes porque sim, não faz qualquer sentido. Se queremos oferecer algo a alguém façamo-lo em qualquer dia. Ou façamo-lo no dia de Reis – à semelhança do que fazem os nossos vizinhos espanhóis. Talvez aí o simbolismo da oferenda tenha - à luz do pensamento religioso - outro cabimento, bem mais aceitável. Julgo eu.

 Por diversas razões, não aprecio particularmente a época; mas respeito quem vive intensamente a quadra natalícia. Sonhar é preciso e o Natal propicia-se a isso. Feliz Natal, antecipado.

1 comentário

Comentar post