Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

O "Diário" (íntimo)

 Quem se lembra do famoso “Diário”, aquela espécie de bloco de notas íntimas, de capa rija, habitualmente com um pequeno cadeado acoplado, onde as raparigas (adolescentes) relatavam os seus amores platónicos, as suas angústias e os seus sonhos?

 Era ali, naquele mundo secreto e oculto, que se debitavam as mágoas, quando os dias pareciam mais cinzentos e a esperança no futuro se desmoronava; ali se transcreviam as frases e os pensamentos mais emblemáticos e mais originais (ou não) sobre o Amor e a Amizade.

 No famoso “caderninho”, quase sempre resguardado do olhar reprovador da mãe (ou dos irmãos mais coscuvilheiros), destacava-se entre as palavras, exageradamente românticas, do texto, um coração trespassado pela seta do Cupido. O símbolo do amor era presença constante nas ilustrações, daqueles relatos íntimos.

 O famoso “Diário”, tal como foi concebido, foi sendo, gradualmente, substituído pelas Redes Sociais (Facebook, Twitter, etc.) e outros meios, igualmente virtuais. Aquilo a que chamo: diários íntimos da “idade do tântalo”. Neles vamos fazendo a catarse de Tudo! Com mais ou menos imaginação, mais ou menos humor, maior ou menor criatividade, cada um escreve, transcreve (ou plagia, nalguns casos) sobre aquilo que lhe dá mais prazer. Ou sobre aquilo que julga conhecer melhor, para agradar (ou não) aos seus “leitores”.

 E, sem darmos conta, de forma ténue e quase impercetível, vamos deixando o Mundo entrar na nossa Intimidade. O que, nem sempre é bom. Aliás, às vezes é mesmo mau. Digo eu.

4 comentários

Comentar post