Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

O inverno (também) tem coisas boas

Considerada (por muitos) uma estação “cinzenta”, o inverno pode ser, também, uma época agradável dependendo das circunstâncias de modo e lugar de cada um.

Há muitas coisas – simples, mas agradáveis – que podemos fazer no inverno, que nos proporcionam prazer: ficar em casa, numa tarde chuvosa, com lareira acesa, a ler um livro, a fazer zapping ou, simplesmente, a “blogar” no sofá até que escureça; pelo meio, beber um chá de “folhas verdes” da horta, acompanhado de torradas com compota caseira. Ao fim-de- semana - se o programa incluir saída de casa -, jantar fora e ir ao cinema é a combinação perfeita. O quentinho das salas de cinema (às vezes exagerado, diga-se) sabe bem nas noites de inverno. Só custa o regresso a casa - sobretudo se estiver muito frio ou a chover.

O inverno não significa apenas chuva e dias cinzentos. Quando o sol brilha, os dias têm uma luz especial, que fica ainda mais intensa no seio da natureza. No inverno, em dias de sol, os campos verdejantes do Alentejo adquirem outra dimensão: são mosaicos de cor verde e castanha, sob um céu azul, que se estendem no horizonte sem fim…

Coisas simples, momentos únicos. Basta saber valorizar.

 

 

É hora da “folga”

As ruas estão desertas: nem uma vivalma se avista. Só um cão, deitado à somba, no canteiro da praça, de língua de fora. Passo por ele e não dá rumor. E enquanto caminho - neste cenário típico de um dia de verão no Alentejo - procuro refúgio na sombra dos beirais.

São três horas da tarde: o sol queima a pele e o ar (quente) fica irrespirável. O corpo cede à dormência e a alma fica mais só. Uma modorra que anestesia os sentidos – é hora da “folga”.

(Atravessando) a planície

A planície e o montado enchem-se de flores para saudar a primavera: amarelo, branco, roxo. Na amálgama de espécies do coberto vegetal, as abelhas procuram o néctar vital e os répteis acordam da letargia de inverno. No céu azul, um milhafre, planando, quebra o silêncio dos campos. Ao longe, o branco caiado das casas salpica de luz o verde dos montes.
Cerro os olhos para apreciar melhor os odores da planície florida. Grata pela serenidade que o campo me proporciona, tenho a sensação que pairo no ar.
A sensação perdura enquanto percorro as ruelas da pequena vila - calma e tranquila, como o são outras vilas e cidades alentejanas. Aprecio os detalhes da arquitetura local: das igrejas, do castelo, do casario em geral. Retalhos da história de um povo, que nos transportam para outros tempos. Tempos de guerra e de paz, de desânimo e de esperança, de tristezas e de alegrias. Passado que só a arte e a cultura populares nos permitem revisitar. E nisso, o Alentejo é rico e profícuo.
Lições de cultura que a travessia dos campos alentejanos propicia. Talvez por isso, “viajar cá dentro” tornou-se viciante. Hoje, mais do que nunca, o Alentejo é o meu vício.
Porque há uma luz especial por terras alentejanas: uma luz que brilha ainda mais na planície e a torna mágica. Magia que envolve e faz sonhar. Puro prazer, em que a alma renasce e o corpo descansa. Momentos inesquecíveis, que me permitem “beber um café comigo mesma”.

DSC05854.JPG

DSC05848 (2).JPG

DSC05840.JPG

DSC05907.JPG

DSC05923 (2).JPG

DSC05921 (2).JPG

DSC05911.JPG

DSC05924.JPG

DSC05887.JPG

DSC05881 (2).JPG

DSC05898.JPG

DSC05902.JPG

DSC05884.JPG

DSC05886 (2).JPG

DSC05869.JPG

DSC05981 (2).JPG

DSC05982.JPG

DSC05977.JPG

DSC05993.JPGNota: fotos tiradas na regiao de Évora (Alandroal e Redondo).

 

 

(N)as Melrinitas

IMG_5287.JPG

 

Lá fora, ao frio matinal, o Espanhol – o gato da casa - espreita na umbreira da porta, da sala de refeições. Tem um ar verdadeiramente felino: pelagem farta, de um tom acinzentado, orelha afitada. Não retribui afetos, mas também não hostiliza quem está. Sabe bem sentir este acolhimento, quase familiar! É este ambiente, intimista, que caracteriza as Melrinitas – uma casa de turismo rural, junto a Serpa, recentemente inaugurada. Um espaço onde o canto dos pássaros e o som da água da nascente embalam o corpo e relaxam a mente.

Para além da envolvente natural, o monte disponibiliza quartos (single e twin), apartamentos com kitchnet, uma piscina exterior e outras infraestruturas de apoio que embelezam o espaço e conferem conforto e bem-estar ao utilizador.

Para ganhar energia para o dia, um pequeno-almoço rico e variado bem ao gosto alentejano: queijo fresco da região, compotas caseiras - como a “marmelada da avó”, acompanhados de um sumo de laranjas da horta. Sabores tradicionais e familiares que o Sr. Ivo (o proprietário) faz questão de disponibilizar aos hóspedes da casa.

Face à breve “visita”, ficou a promessa de voltar para disfrutar (mais) de tudo: da natureza envolvente, do conforto do espaço, da simpatia no acolhimento… Um refúgio ideal para quem quer descansar, namorar, fazer caminhadas e provar a excelente gastronomia de Serpa.

IMG_7063.JPG

IMG_5291.JPG

IMG_5123.JPG

IMG_5289.JPG

IMG_7070.JPG

IMG_5290.JPG

IMG_5125.JPG

IMG_5288.JPG

IMG_7067.JPG

Mais informações em: http://www.booking.com/hotel/pt/melrinitas-turismo-rural.pt-pt.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mértola está (mesmo) "na moda"

090.jpg

 No beco virado ao rio, um grupo de turistas aprecia a paisagem. Enquanto se deslumbram, vão tecendo comentários; entre uma palavra e outra (que escuto sem querer) consigo perceber que uma visita ao castelo faz parte do périplo. Como este grupo, dezenas de outros visitantes optaram por Mértola, como destino de fim-de-semana ou, simplesmente, como local de passagem a caminho do Algarve.

 O calor que se fez sentir nos últimos dias não impediu que calcorreassem as ruelas do centro histórico, para conhecer um pouco mais da vila museu. E com isso, Mértola ganhou vida. É certo que grande parte dos visitantes esteve apenas de passagem; outros, porém, permaneceram por mais tempo (uma ou duas noites - de acordo com a disponibilidade financeira) aproveitando para descansar nas excelentes unidades hoteleiras à disposição - disfrutando do conforto e qualidade das mesmas, numa envolvência natural única.

 Não há dúvida: o turismo em Portugal está em fase ascendente. Mértola é um exemplo disso. Começa a ser comum: ouvir falar línguas estrangeiras nos diversos espaços públicos e ver um fotógrafo em cada esquina.

Definitivamente: “Mértola está na moda!”

 

098.jpg

026.JPG

237.JPG

246.JPG

247.JPG

250.JPG

047.JPG

255.JPG

IMG_4914.JPG

IMG_4811.JPG

 

044.JPG

045.JPG 

253.JPG

145.jpg

153.jpg

116.jpg

150.jpg

079.JPG

821.JPG

passeio Mértola fevereiro 2015 035.JPG

IMG_4947.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A "loja do Sr. Artur"

007.JPG

 Há espaços que, de tão peculiares, nos transportam para outro tempo, outra realidade. Foi isso que me aconteceu quando, a pretexto de comprar uma garrafa de água, entrei na “loja do Sr. Artur”.

 Entrei, observei – durante algum tempo -, e só depois de rever algumas imagens guardadas na memória, encetei conversa com o proprietário – Artur O., que, com enorme simpatia e agrado, me explicou como é possível (ainda) manter, no atual contexto socioeconómico, este tipo de estabelecimento comercial: um misto de mercearia e retrosaria, onde se vende (e há) de tudo.

 “Depende da época” – referiu. “No inverno vendem-se mais lãs!” Embora resignado com a situação que se vive neste tipo de comércio (a retalho), está patente um brilhozinho nos olhos quando fala da loja no “antigamente”. E eu, curiosa e atenta, e num momento ou outro comovida (até), lá fui escutando a descrição detalhada da arquitetura interior do espaço, quando o mesmo pertencia aos antigos proprietários: o Sr. Eurico e a esposa Isabel Revez. Nesse momento, a memória parou-se-me no tempo: do pequeno compartimento de madeira – o escritório improvisado, o Sr. Eurico, sempre com um sorriso, saía para dar uma palavrinha de apreço aos clientes habituais ou para tentar vender algum produto. A esposa, sempre bem-disposta e extrovertida, lá ia supervisionando as vendas, enquanto deambulava atrás do balcão com um sorriso nos lábios - sempre pintados de vermelho.

 Hoje, a realidade é outra. O despovoamento acentuado do interior do país, nas últimas décadas, tem provocado repercussões negativas neste género de negócio; manter a “porta aberta” é cada dia mais difícil – na opinião do Sr. Artur.

 

 E foi assim… recordando o Passado, que o Presente se impôs aos meus sentidos.

 

012.JPG

011.JPG

010.JPG

013.JPG

014.JPG

015.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na "rota dos sabores" 16

022.JPG

 À hora marcada, a chegada: restaurante “Casa Amarela”, em Além Rio. Como é hábito (quase) diário - para aquela margem - o percurso fez-se a pé. Uma oportunidade única de (re)ver a belíssima paisagem da vila museu, que, majestosa e imponente, se afirma na margem direita do rio Guadiana. Uma imagem marcante pela rara beleza, um quadro digno de apreço. Como merecedora de apreço é a decoração da “Casa Amarela”: muito clean e muito cosy. Um ambiente que nos transporta para outras paragens - longínquas, até. Tudo pensado (e planeado) na perspetiva do conforto e bem-estar do cliente.

 A mesa reservada no terraço - sobranceiro ao rio e emoldurado pela vila museu – reporta o espaço para um quadro impressionista. E enquanto aguardo a chegada da bebida - um rosé bem gelado, da produção local - vou saboreando a magia e o encanto do momento.

 A degustação de um buffet[1] de cariz mediterrânico com salpicos de cozinha de fusão deixou-me totalmente rendida. A entrada, uma sopa fria – gaspacho – seguida de um misto de saladas e “frango de escabeche” foi o mote para uma refeição muito especial, rica de sabores, mas sem nunca perder o cunho da tradicional cozinha alentejana. Seguiu-se um “bacalhau com espinafres à casa” que acompanhei com “salada de alface, maçã e nozes”. Por fim, e porque sou alentejana e adoro: “borrego assado no forno com alecrim” acompanhado de “arroz de cogumelos” e “batatas assadas com ervas aromáticas”. Delícias gastronómicas, confecionadas pela D. Odete - a cozinheira de serviço, sob a supervisão de Marta Luz, a proprietária – e que aconselho vivamente a provar.

 A sobremesa: “bolo de chocolate acompanhado de gelado de baunilha e coulis de frutos vermelhos” - uma ode ao paladar – finalizou um magnífico jantar no restaurante cuja vista panorâmica sobre a “vila velha” deslumbra e inebria os sentidos – mesmo aos menos românticos.

027.JPG

060.JPG

065.JPG

075.JPG

051.JPG

046.JPG

055.JPG

052.JPG

050.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nota: pontuação máxima para a simpatia e profissionalismo no atendimento e uma excelente relação qualidade/preço.

 

[1] O restaurante também tem disponível um menu “à la Carte”.

Hoje, vi África!

11698448_10203504643810566_7691809867512620150_n.j

                                                                                                                               (na estrada Mértola-Almodôvar)

 

 Os olhos veem o que queremos.

 Esvaziar o pensamento e voar. Voar para lá do horizonte. Só eu e a paisagem. Escutar-me e escutar a natureza.

 Pode parecer estranho, mas sempre que o faço sinto-me renovada e o mundo ganha outras cores e outros contornos.

 É este poder do Ser que nos conduz ao mundo dos sonhos…

 E, assim, livre do poder da mente, liberto-me do passado, não projeto o futuro e vivo intensamente o Agora.

 Vale a pena tentar!