Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

No cimo da serra

No cimo da serra a lua espreita,

E afaga o rosto dos amantes.

Em cada gesto um sorriso,

Em cada palavra uma promessa.

 

Sonhos vividos, momentos partilhados,

Castelos erguidos na esperança.

 

E enquanto a lua se esfuma e as estrelas dormem,

Um grito reprimido brada no horizonte longínquo.

No choro escondido da hora da partida,

Há um abraço que fica e um beijo que permanece.

 

 

Retrato

Olho o teu retrato todos os dias
Todos os dias te olho como se estivesses aqui.


Enquanto dura o fugaz encontro
Uma lagrima rola no meu rosto
E com cautela e disfarçadamente digo-te que estou bem.


Rasgo um sorriso sem sentido
E guardo as palavras que não ouço
Como pedaços de esperança que alimentam os meus dias.

 

Viagem

Se porventura partires, leva-me contigo nesse mar que te acolhe. Um mar da cor do céu, onde a esperança vive e o sonho mergulha. E quando a noite cair, abraça o horizonte e beija-me a mão que te estendo. Não penses, não digas nada, deixa-te levar rumo ao jardim dos sentidos. E nesse recanto, que é só teu, senta-te e escuta a voz do coração: se o ouvires chorar, não receies, aceita o sinal e prossegue a tua viagem. Se o ouvires cantar, é sinal que fizemos da noite dia e das estrelas sorrisos. Então, fica mais um pouco e vive cada instante como sendo único.

Mar (de serenidade)

1134 (2).JPG

 

Desembarco do pensamento

Antes da noite que o devaneia

Longe das águas e do vento

Gravo o nome na areia.

 

Na praia onde me acosto

Não há sombras não há gente

Só uma lua de agosto

Tem magia certamente.

 

Durante a noite encantada

Só o pássaro gorjeia

E na enseada protegida da nortada

Avisto malícia no olhar da Cassiopeia.

 

Sinto o corpo estremecer

E a mente em tranquilidade

O coração a bater

Num mar de serenidade.

 

 

Como pássaro ferido

A lua espreita no horizonte,

No ar o aroma exótico do jasmim

Transporta os perfumes da noite.

 

Na varanda sobranceira,

Entre almofadas de chita,

Recosto-me nas memórias, que me embalam a alma.

 

Enrolada em sonhos, sinto-me frágil.

E como pássaro ferido,

Que plana entre as nuvens do desejo,

Procuro abrigo noutros instantes, breves, mas felizes.