Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Escrita ao Luar

Um blog de “escrita” sensitiva e intimista sobre (quase) tudo... e com destaque para: viagens, ambientes inspiradores e gastronomia.

Setembro: o início do fim do verão

O final das férias (para uns), o início de novo ciclo (para outros). Setembro é tempo: de nostalgias e do síndrome pós-férias; do recomeço das aulas e do regresso ao trabalho; dos trabalhos de casa e da azáfama com a criançada; dos horários rígidos para deitar e levantar; da chegada da chuva e dos dias mais curtos, de sol preguiçoso; das manhãs frescas e das noites silenciosas, nas ruas; do recolhimento e do aconchego no conforto do lar; dos passeios na natureza e das viagens "cá dentro" (aos fins-de-semana). 

Setembro não é apenas renovação, é também iniciação: é tempo de Viver mais o Agora.

image.png

 

(o meu) tributo ao outono

Chegou o outono e com ele as folhas caídas no chão. Folhas mortas – de mil tons!

Folhas caídas que o vento leva...

Existências breves - de regresso às origens - transportando sonhos (desfeitos)! Vidas que acabam com o tempo… tempo de dias curtos e cinzentos - às vezes nostálgicos.

Não gosto do outono. O défice de luz e de brilho nos dias transtorna e agita as almas mais irrequietas. Apetece avançar no calendário: ir mais além e permanecer na primavera dos sentidos… Enquanto isso, vou saboreando momentos que a Vida me oferece: momentos únicos salpicados de Amor e Sonhos.

 

 

Setembro dos (re)começos…

 

 A chegada de setembro lembra-me, habitualmente, o outono. Apesar dos dias (ainda relativamente longos e quentes), a luz e o brilho do sol são diferentes. Uma opacidade ténue ensombra os dias tornando-os mais cinzentos… e mais apáticos.

É tempo de regressos e (re)começos, de ensaios e renovações. Tempo para inovar e/ou criar novos projetos de vida. Para alguns, o princípio de um novo ciclo.

Neste período pós férias, a vontade e o ritmo de trabalho individual (e coletivo) adquirem uma dinâmica acrescida. Na esfera pessoal, este é (também) um mês de “planos de treino” e de alterações no regime alimentar. Há uma vontade eminente em seguir novo rumo… uma espécie de remissão dos excessos cometidos no mês de agosto.

Pessoalmente, sempre considerei este mês o começo de um “novo ano”. Um defeito profissional. Julgo. Por coincidir com o início do ano letivo tem um efeito renovador: novas caras (nalguns casos), novos projetos, novos ritmos… Tudo contribui para o entusiasmo - com cheirinho a outono.

Depois as rotinas instalam-se e com elas a monotonia do tempo das folhas caídas, da estação sem cor nem ritmo, que afeta a alma no seu âmago. Há lugar à melancolia e (frequentemente) nuvens de pessimismo surgem, sem darmos conta, e às vezes magoam… Cabe a nós ultrapassar a tormenta, vivendo um dia de cada vez. Saboreando momentos: como apreciar o luar numa noite de lua cheia em plena natureza… tão simples, mas único.